Após zerar testes de colisão, Onix terá reforços estruturais


Após obter NENHUMA estrela nos testes de colisão do Latin NCAP, a Chevrolet não pode dizer que perdeu vendas. Os consumidores brasileiros levaram o veículo a um recorde em agosto – foram 18,5 mil unidades que ganharam novas garagens. Só em um mês.

Em apuração de da revista Quatro Rodas, fontes ligadas à empresa revelaram que o compacto receberá aços de ultra-alta resistência nas colunas A e B. Reforçar estes pontos da estrutura teria impacto positivo tanto em colisões frontais como nas laterais, situação em que o Onix demonstrou maior debilidade.

E a Chevrolet não vai esperar por mais um facelift ou qualquer outra mudança de design para aplicar estes reforços tanto no Onix como no Prisma. A ideia é aplicar estas mudanças na linha de montagem de Gravataí (RS) até março de 2018.

Em maio, quando divulgou novos testes de impacto do Onix, o Latin NCAP disse que o compacto “mostrou um desempenho pobre, já que o teste de impacto lateral evidenciou uma compressão alta no peito do passageiro adulto, divulgando uma alta penetração na estrutura”.



O teste de impacto lateral deixou evidente que, hoje, o hatch não tem dispositivos de absorção de energia para impactos laterais – possui apenas barras de proteção nas portas.

Na época, a General Motors disse, entre outras coisas, que “O Chevrolet Onix cumpre integralmente com todos os requisitos locais de segurança dos mercados onde é vendido na América do Sul. (…) Combinado com airbags duplos e freios ABS com distribuição eletrônica de força de frenagem, acreditamos que o Onix é um dos veículos mais seguros em seu segmento, que é apenas uma das razões de ser o veículo mais vendido na América do Sul.”

A empresa comentou a informação de mudanças no projeto do Onix: “Desde a publicação da norma a respeito dos testes de impacto lateral, em 2013, a GM vem desenvolvendo seus produtos para que cumpram com todos os requisitos de segurança até o prazo estabelecido.” Fabricação com o poder da IBM: Com Watson IoT engenheiros podem usar milhões de sensores para prever erros no processo de produção Patrocinado 

Neste caso, a GM refere-se à futura obrigatoriedade de testes de colisão para homologação de automóveis no Brasil.

O uso de aços de ultra resistência nesta região seria capaz de conter essa penetração da estrutura em colisões laterais. Não à toa, esta é uma estratégia comum na indústria mundial e vem se tornando cada vez mais comum entre carros nacionais, como ocorreu com Volkswagen Up!, Ford EcoSport e Fiat Toro.

Link para o vídeo de teste de impacto.
https://www.youtube.com/watch?time_continue=16&v=Prn7fL-Ygbk


Notícias e Dicas Automotivas, Você Encontra Aqui, no Blog da Zone Car!
Blog - Zone Car Auto Parts - Auto Peças Online. Tecnologia do Blogger.